Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Para Ler na Retrete

Para Ler na Retrete

Geração de Trolls de internet sem haver internet

          Hoje em dia temos a vida facilitada em termos de acesso a informação. Qualquer pessoa tem um aparelho no bolso que o permite consultar como é que se faz alguma coisa ou quem é tal pessoa. Antigamente, no tempo dos nossos avós, isso era impensável. Nessa altura era compreensível que se um amigo nos aconselhasse a por terra húmida numa picada de abelha para parar de doer. O limite era a percepção de se a pessoa a dar o concelho nos quer humilhar ou não. Daí saíram todos os ditados e conselhos que hoje ouvimos.


          O que me espanta é quem não ouve estas coisas e pensa "espera lá, qual é a base que faz disto credível?". Eu lembro-me de ser miúdo e, após uma queimadura no braço, a minha avó disse para ir imediatamente por manteiga na zona queimada. Hoje em dia penso: será que ela estava realmente a tentar diminuir a dor ou achava que eu estava a assar e queria que eu ficasse com mais sabor? Graças à ciência hoje sabemos que, não só isto era inútil, como fazia por ainda! Tenho a certeza que há muitos de vocês que estão a ler isto e a pensar em algo deste género. Esfolas-te o joelho? Sopra que isso passa. Não estales os dedos que ficas com artrose! Quando acabares de comer tens de esperar cerca de 3 horas até entrares na água. Sinceramente ninguém me tira da cabeça que isto foi uma conspiração para gozar com a nossa geração. Neste último exemplo, em casos extremos, podia provocar a morte! Como se um bife dentro do estômago voltasse a ser uma vitela enquanto estou dentro da piscina.


          Mas os ditados são a melhor parte. Eu gostava sinceramente de conhecer alguns dos artistas que deram origem a muitos destes mitos ou expressões. "Deitar cedo e cedo erguer, dá saúde e faz crescer". A quem? Qualquer ser racional sabe que dormir cerca de 8 horas a partir das onze da noite ou das cinco da manhã, é igualmente saudável. A diferença é que a segunda pessoa provavelmente tem companhia na cama e o primeiro esvaziou o saco sozinho. "Em briga de marido e mulher ninguém mete a colher". Nem vou entrar por todos os casos de violência doméstica que existem no mundo actualmente. No entanto, é de louvar que nos tempos de criação deste provérbio, ouve alguém que acabou com uma discussão de um casal usando uma colher. É de coragem! Capaz de levar com uma frigideira nas ventas... Neste caso, nota-se claramente que a colher foi posta ali só para rimar. Foi preguiçoso. E neste âmbito existe ainda a minha favorita: "Abril, águas mil." Nem sei por onde começar. Não me lembro de ler na Bíblia que quando ocorreu o dilúvio, estava um péssimo dia de Abril. Assim também eu... "Novembro, camadas que nem me lembro"; "Outubro, gajas ao rubro". Não quer dizer que eu seja um playboy em Outubro ou que fique em coma em Novembro. É só uma frase que rima. Incrivelmente ainda nos dias de hoje, oiço coisas destas a toda a hora e, mais incrível ainda é existirem pessoas que engolem isto "a dar com pau". Outra expressão infeliz que provavelmente fez pessoas andarem com nódoas negras. Pena não existir Voltaren na altura. Provavelmente passavam com pasta de dentes ou estrume de cavalo. Só para não doer.


          Por hoje é tudo, despeço-me deixando um alerta a todos porque não falta muito para Abril. Logo convém abastecer a casa de champô e/ou guarda-chuvas. Queria fazer uma com o mês actual mas não faço ideia de palavras que rimem com Março sem ser calão para pénis. E disso, se calhar, já chega.

54qj1v26jzrx.jpg